Roedores

Ratazana ou Rato de Esgoto

Rato Preto ou Rato de Telhado

Camundongo

Roedores em geral são portadores de diversas doenças agravantes para nossa saúde.

Vivem em média até 3 anos e se reproduzem cerca de 4 vezes ao longo do ano com ninhadas de até 9 filhotes por gestação.

Doenças como:  Peste Bubônica, Tifo, Toxoplasmose, Hantavirose e Leptospirose e podem ser prejudiciais tanto para os animais de estimação como para o homem.

Baratas

Barata Americana ou Barata de Esgoto
Barata Alemã

A barata de esgoto é a mais comum em áreas residenciais. Baratas alemãs são observadas quase que em todos os casos na cozinha ou empresas do ramo alimentício.
Por habitarem em locais sujos, contaminam alimentos causando transtornos como a diarréia. Também podem causar danos consideráveis em roupas e livros, além de impregnar os locais com cheiro desagradável e característico.
Período de incubação dos ovos pode chegar até 40 dias com reprodução de 14 à 16 ovos. Tempo de vida em média 350 dias. Podem resistir de 1 à 3 meses sem alimento ou água.

Formigas

Atualmente, existem 2.000 espécies de formigas reconhecidas no Brasil, com cerca de 50 envolvidas no nosso meio urbano.
Equipamentos eletro-eletrônicos e restos de alimentos atraem significativamente as formigas para o nosso meio comum. É discutível que as formigas são fontes de doenças registradas em ambientes hospitalares e ambulatoriais. As espécies endêmicas, por sua contribuição ao meio ambiente, devem ser preservadas, diferente das espécies exóticas, que causam efeitos danosos à muitas espécies silvestres, influenciando na biodiversidade, como estudado na Europa e EUA.

Carrapatos

Carrapato Estrela

Carrapato de Cavalo

Carrapato Rodoleiro
Infestam cães e gatos, instalam-se na pela do animal e em casos mais agravantes, se espalham pelo ambiente.

O micuin pode ficar até 24 meses sem se alimentar, esperando um hospedeiro e no homem causa terrível coceira e até inflamação. Hospedeiro da bactéria Rickettisia rickettsii, causadora da febre maculosa, que pode provocar febre alta, dor de cabeça e lesões cutâneas semelhantes as do sarampo ou da meningite meningocócica. Com um diagnóstico precoce o tratamento é simples, à base de antibióticos, mas num estado avançado a doença pode ser letal.

Pulgas

Pulga-do-rato

O principal hospedeiro é o rato-urbano. Também pode atacar outros mamíferos e o homem. Principal agente transmissor da Peste Bubônica, doença epidêmica contagiosa (quase fatal), que causa manchas escuras na pele e hemorragias internas.
 

Pulga-do-cão 

Infesta tanto cães quanto gatos, podendo picar outros animais e o homem. Mais comum em regiões de clima frio.

 

Pulga-gato

Também ataca o homem e vários outros animais. Capaz de transmitir doenças além de provocar alergia. Mais comum em regiões de clima quente.
 

Pulga-do-homem

Podem sugar outros hospedeiros, como suínos, cães e gatos e, raramente, ratos. Sua ocorrência é maior em casas muito velhas. Era a espécie principal do homem por habitar principalmente seus ambientes, mas está quase totalmente erradicada.
 

Bicho-de-pé

Esta espécie é mais comum nas zonas rurais. A fêmea fecundada penetra na pele do homem e de outros animais, causando forte coceira e ulceração. Adquire-se andando em áreas infestadas, como currais, chiqueiros e praias.

Cupim

Cupim de Madeira Seca
Cupim Subterrâneo

Apesar de popularmente o Brasil combater as duas espécies de maior incidência, o Brasil tem registrado outras 290 espécies.
Os danos provocados por estes insetos vão desde a destruição de móveis de madeira, chegando a longo prazo a consumir a estrutura de um local incidente.
Cupim de Madeira Seca normalmente ataca móveis e não se locomove até consumi-los por completo. Já o Cupim Subterrâneo apresenta uma infestação mais abrangente, firmando caminhos por todo um terreno e consumindo o que estiver à sua frente.

Aranhas

Tarântula
Aranha de Jardim
Viúva-Negra
Aranha-Marrom
Armadeira

Os danos mais graves ao ser humano estão ligados à aranha-marrom. O Brasil possui quatro principais tipos de aranhas venenosas, classificadas como de interesse médico, e a soroterapia é ministrada como antídoto à picada.

Escorpiões

Há registros científicos que comprovam a existência de escorpiões há 400 milhões de anos. Atualmente, já estão catalogadas cerca de 1600 espécies e subespécies, distribuídas em 116 gêneros diferentes em todo o mundo. No Brasil, os escorpiões de importância médica e também para controle de pragas pertencem ao gênero Tityus, das espécies Tityus serrulatus (ESCORPIÃO-AMARELO) e Tityus bahiensis (ESCORPIÃO-PRETO OU MARROM), pois são as que mais atacam o homem. O escorpião-amarelo é o mais venenoso, encontrado na região Sudeste, e de maior incidência no Paraná, Bahia e sul de Goiás. Já o escorpião-preto, é encontrado da Bahia ao norte da Argentina, Mato Grosso do Sul e Paraguai.
São picadas muito doloridas e podem provocar diversos sintomas, até letais em alguns casos, principalmente em crianças menores de 7 anos.

Mosca

Berne
As moscas pousam em tudo que é fedido e sujo, em todos os "cocôs" , estrumes e porcarias que encontrar pela frente.
É assim que elas se alimentam e é também assim que contaminam tudo por onde andam.
A mosca de Berne Sul Americana não põe ovos diretamente no hospedeiro, a fêmea pega uma mosca que se alimenta de sangue e põe ovos no seu abdômem. Enquanto ela se alimenta, os ovos vão se abrindo e as larvas alojam-se na pele do hospedeiro.

Mosquitos

A cada dia a influência de um mosquito tem se tornado mais enfática em termos de saúde pública, uma vez que esse inseto tem encontrado espaço para proliferação e adaptação dos vírus, resultando em epidemias e infelizmente muito comum, levando a óbito.
Pernilongos

Depositam seus ovos em águas poluídas e turvas ou com presença de muita matéria orgânica em decomposição. Pode ser vetor da Filariose Bancroftiana.
 
 Aedes Aegypti

Para depositar seus ovos, prefere locais que contenham água limpa e parada. É de grande importância médica por ser vetor da dengue e da febre-amarela.